16 março 2021

CIP considera "incompreensível" que o mar seja esquecido no PRR Destaque

O presidente da CIP, António Saraiva, acompanhado pelo presidente do Conselho Estratégico Economia do Mar, Manuel Tarré, e do especialista internacional em Economia Azul, Miguel Marques, reuniram-se com o Ministro do Mar, Ricardo Serrão Santos, para alertar o Governo sobre a "necessidade de o Mar integrar o PRR", refere a confederação empresarial em comunicado.

Uma vez que Portugal representa mais de metade da área acumulada das Zonas Económicas Exclusivas Marítimas localizadas na Europa, e pertencentes a países da União Europeia, a CIP entende que "será difícil explicar aos portugueses e aos europeus, severamente atingidos pela crise económico-social provocada pela pandemia, a ausência do mar neste instrumento fundamental para a recuperação de Portugal", pode ler-se ainda.

Alerta igualmente para o facto de se tornar "mais árduo para Portugal e para a Europa aumentarem o emprego e a riqueza", com expressão no produto interno bruto (PIB), caso "se ignorarem a economia azul e todo o seu potencial", que é considerado chave para o aumento das exportações.

Além disso, prossegue a CIP, a força motriz do mar manifesta-se em outros setores e áreas de atividade e, no caso da fileira alimentar, o mar é um dos principais setores exportadores, enquanto os portos, a construção naval e os transportes marítimos são vitais para a capacidade exportadora do país.

A CIP alude ainda ao processo de descarbonização, sinalizando que os oceanos são o "ativo mais importante" na concretização deste desafio civilizacional, bem como na área da defesa nacional, a ciência, a robótica azul e a biotecnologia são alavancas para a inovação e transformação digital.

Reportando-se ao exemplo de excelência que tem sido o aumento das exportações pela fileira alimentar do mar, o empresário e presidente da Associação da Indústria Alimentar pelo Frio (ALIF), explicou no encontro como no curto e médio prazos é possível ganhar vantagem social, económica e ambiental do reforço da estratégia relacionada com esta fileira.

Já Miguel Marques apontou os caminhos de crescimento que as economias mais competitivas estão a seguir em indústrias como a construção naval, portos, marinha mercante, defesa, cabos submarinos, robótica e biotecnologia.

E desafiou Portugal a "aproveitar o atual momento para se tornar igualmente mais competitivo", lê-se no comunicado.

Fundada em 1974, a CIP representa, diretamente e através da sua rede associativa, mais de 150 mil empresas, que empregam mais de 1,8 milhões de trabalhadores e são responsáveis por cerca de 71% do PIB de Portugal.

Fonte: Notícias ao Minuto

Itens relacionados

Contactos

M. Largo de São Sebastião da Pedreira, 31 - 4º
1050 - 205 LISBOA

T. (+351) 21 352 88 03
F. (+351) 21 315 46 65

E. Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.